• Garreiras

Why Don’t Some Victims of Domestic Violence Just Leave?

By/Por Luana Maciel and Natalia Ahn

Translator/Tradutora: Livia Paula



(Keep scrolling for Portuguese/Português abaixo)


Disclosure: Although this article uses heteronormative language, it is important to emphasize that domestic violence does not affect only women and it does not have a gender, race, or specific socio-economic background. We can all be subjected to domestic violence. The topics mentioned below can be very triggering. If you are a victim of domestic violence please reach out for help and/or check our resources presented at the end.


You probably have come across this question: Why don’t they leave? Why did they stay? If their lives are so bad, why don’t they just leave? This question can be very discouraging to a lot of victims, and it also shows a lack of empathy and knowledge of the psychology of abuse. The answer is not quite simple and we are going to dig more into those “whys”, so we can have more empathy for our community and learn more about the dynamics of abuse.


If you have read the previous article posted here, on August 26, 2020 Domestic Violence in the Brazilian Immigrant Community During the COVID-19 Quarantine,” you learned about a series of different types of abuses such as immigrational, financial, physical, psychological, and sexual abuse. Today’s discussion will be based on those forms of abuse so it is helpful to read that blog post first. Please note, this is all very broad since each individual and case is different.


1. Threats and Manipulation

Some victims have a fear of deportation, as well as losing custody of their children because their partners may threaten to call the police, get them deported and take their children away. The majority of immigrant victims lack knowledge of U.S. immigration laws. For this reason, some abusers use “mind games” to take custody of the children based on the mother’s immigration status, manipulating her to stay in the abusive relationship.

“The mind games”/manipulation is not something that victims made up, according to the Domestic Violence Intervention Program, “Women are 70 times more likely to be killed in the two weeks after leaving than at any other time during the relationship.” So women may not leave because they feel for their psychological/physical integrity and fear for their lives


2. Trauma bonding/Gaslighting

Although a person may be in an abusive relationship, she can also build a bond with her abuser, loving him. That’s called trauma bonding. Trauma bonding is a very powerful and emotional feeling that keeps the victim attached to the abuser. The victims feel like they need the abuser even if they are suffering harm. Relationships with trauma bonding are comparable to drug addiction and, for this reason, the victims are advised to seek therapy and medical advice. Trauma bound is a cycle, forming a “social trap” where it makes it very hard for the victim to leave the abuser.


Some abusers have a narcissistic personality. According to Surviving Narcissism: “People with NPD (narcissistic personality disorder) have an inflated sense of their self-importance, an excessive need for admiration or superiority, and a greatly diminished capacity for empathy.” Abusers may have a lack of empathy, be envious of others or believe that others are envious of them. Narcissists have no emotions, they are born with the disorder. Narcissists only use emotions to reach their personal goals and what they want.


It is very difficult to identify a narcissist. They show a lot of affection and behave romantically at the beginning of the relationship by demonstrating extreme care for their victims, thus creating a psychological (love) bond. The victims keep themselves attached to their abusers because of these psychological bonds. Once a victim trusts the partner, it is difficult for her to believe that the partner would do something so terrible to her. The victims tend to think that it may be only a “bad phase,” as if their partners were going through some temporary problems at work, making up excuses for the abusers’ behavior.


When the victim starts to believe every accusation the abuser makes is the victim's fault, that is called gaslighting. A term created in 1944 after the movie “Gaslight,” in which a husband was constantly making his wife doubt her own sanity, also showing a very abusive marriage. To “gaslight” someone is to make them constantly doubt themselves, their actions and their perception of reality, and their sanity.


3. Society’s stigmatization

It is typical for a person in a situation of abuse to not tell her family or friends. She often feels ashamed and it is like she failed to keep the relationship together. There is a stigma regarding abuse in our society that abuse is not legitimate unless it is physical. According to the Columbus Dispatch News: “It appears that in March, victims who weren’t reaching out for help because they were sheltered with their abusers didn’t call until the violence got so severe that the police got involved” (2020). We wait until the violence gets severe (physical) to reach out for help, and that is society’s stigmatization: the belief that domestic violence is “real” only when it gets physical. Besides that, the excuse of “every couple has arguments” is used to justify psychological, financial, and even sexual abuse. It is important to normalize this conversation, so victims can recognize it faster and we can break this stigma.


4. Cycle of Violence

How does the cycle of violence work?


The above cycle wheel helps us understand why so many people experience abuse very often and it is difficult to break free. The violence cycle starts with the abuser building the tension then creating physical abuse, reconciliation, and calm. It's important to understand that victims will see the abuser showing plenty of remorse, convincing the victim that it may be an isolated situation and it will never happen again. In reality, it will happen over and over again, if the victim does not break the cycle. It is not easy to break the cycle, as we are beginning to understand.


5. Socio-economic status

Some women cannot leave because they fear a negative change in their socio-economic status and that of their children. Some women are greatly or completely dependent on the income of their partners. Some abusers also use this to control and manipulate the victim. It is a manipulation tool used by the abusers to hold power over the victims, to keep them in the relationship with their abusers, under their control.


As stated above, questioning why the victims did not leave is very discouraging. Instead, we should be questioning “why are abusers/partners being abusive?” We would effectively stop blaming the victim for the abuse endured and place the focus on the abuser.


What can we do in order to change?

  1. We need to educate our community and speak more about domestic violence. Partner abuse is not just some “isolated cases,” or a post-pandemic phenomenon. It is a worldwide problem among us even before the pandemic. In order to end it, we must take action, and educating the community is a must.

  2. Let’s normalize new ideas regarding family structures, so no victim would feel ashamed or as a failure to have to leave an abusive relationship.

  3. Let’s demand better public policies from our elected officials. Better police training, for example, can change how officers approach domestic violence incidents from a trauma-enforced perspective. Contact your district representatives and demand better public policies.


If you are a victim of domestic violence, and you cannot immediately leave, it is helpful to build a safety plan:


What should you have on your safety plan?

  • Copies of documents;

  • Make a google drive and share with a trusted friend or family with evidence of the abuse you are enduring;

  • Memorize safety numbers, such as a friend, family members; besides google drive, The National Network to End Domestic Violence (NNEDV) created an app called DocuSAFE. DocuSAFE is a free app that helps survivors collect, store, and share evidence of abuse, such as domestic violence, sexual assault, stalking, online harassment, and dating violence. Survivors can document abuse by logging individual incidents, including any photos, screenshots, or video documentation of threatening messages, harassing social media posts, unwanted repeat calls, or online impersonation, among other abusive behaviors.

  • Have always a packed bag with clothes, snacks, and water, hidden in a safe place so you can leave in an emergency;

  • Plan ahead if you are going to a shelter, if yes, call before to check if there is space for you and your children if any, or go to any trusted friends or family;

  • Try to save as much money as you can and hide it from your abuser; any amount can be helpful, those few dollar bills, the change from the groceries, can be gas for your escape, or can pay for your cab/uber;

  • Try to get educated, study to be self-sufficient. I am not saying you are going to be better than anyone, but you are going to be able to afford housing and food on your table, so if you did not have higher education from your home country go for it, if you do, go for specialization, there are plenty of grants and loans out of there, if you need help applying for them please visit the FAFSA site. You can also apply to scholarships, merit and need-based directly from the schools you are interested attending.

  • GEMS Scholarship is a special program for victims of Domestic Violence or Human Trafficking for empowerment and education to help victims and women, in general, conquer their financial independence, increase their confidence. This program has as a goal an extended opportunity to the victims to end the cycle of domestic violence for themselves and their children. Visit their website to learn more.

  • Also, check out scholarships for victims of crime/violence in the U.S. through this link from Top 10 Online Colleges.


Porque as Vítimas de Violência Doméstica Simplesmente Não Vão Embora?



Advertência: Embora este artigo usa linguagem heteronormativa, é importante enfatizar que a violência doméstica não afeta apenas as mulheres e não escolhe gênero, raça ou histórico socioeconômico específico. Todos nós podemos estar sujeitos à violência doméstica. Os tópicos mencionados abaixo podem ser muito desencadeantes. Se você for vítima de violência doméstica, por favor, busque ajuda e/ou verifique nossos recursos apresentados no final.

Você provavelmente já se deparou com esta pergunta: Por que elas não vão embora? Por que elas ficam? Se as coisas estão tão ruins assim, por que elas simplesmente não vão embora? Essa pergunta pode ser muito desanimadora para muitas vítimas, e também mostra uma falta de empatia e conhecimento da psicologia do abuso. A resposta não é tão simples, e vamos nos aprofundar nesses “porquês” para que possamos ter mais empatia por nossa comunidade e aprender mais sobre a dinâmica do abuso.

Se você leu o artigo anterior postado aqui no dia 26 de agosto de 2020, “Violência Doméstica na Comunidade Imigrante Brasileira durante a Quarentena do COVID-19”, você aprendeu sobre uma série de diferentes tipos de abusos, como abuso imigratório, financeiro, físico, psicológico e sexual. A discussão de hoje será baseada nessas formas de abuso, por isso recomendamos ler primeiro a postagem do blog. Observe que tudo isso é muito amplo, pois cada indivíduo e cada caso são diferentes.

1. Ameaças e manipulação

Algumas vítimas aqui nos Estados Unidos têm medo de serem deportadas, e também temem em perder a custódia de seus filhos porque seus parceiros podem ameaçar chamar a polícia, fazer com que sejam deportadas e levar seus filhos embora. A maioria das vítimas imigrantes não conhecem as leis de imigração dos EUA. Por esse motivo, alguns abusadores usam "jogos mentais" para tentar tirar a custódia dos filhos com base no status de imigração da mãe, manipulando-a para permanecer no relacionamento abusivo.

“Os jogos mentais” /manipulação não são algo que as vítimas inventam. De acordo com o Programa de Intervenção de Violência Doméstica, “mulheres têm 70 vezes mais probabilidade de serem mortas nas duas semanas após a saída do relacionamento que em qualquer outro momento durante a relação”. Portanto, as mulheres não podem sair porque temem por sua integridade psicológica e física, e assim temem por suas vidas.

2. Ligação de trauma/Gaslighting

Embora uma pessoa possa estar em um relacionamento abusivo, ela também pode construir um vínculo com seu agressor, amando-o. Isso é chamado de vínculo de trauma. O vínculo traumático é um sentimento muito poderoso e emocional que mantém a vítima ligada ao agressor. As vítimas sentem que precisam do agressor, mesmo que estejam sofrendo danos. As relações com o vínculo traumático são comparáveis ​​às da toxicomania e, por isso, as vítimas são orientadas a buscar terapia e orientação médica. Trauma ligado é um ciclo, formando uma “armadilha social” onde fica muito difícil para a vítima deixar o agressor.

Alguns abusadores têm uma personalidade narcisista. De acordo com Surviving Narcisism (Tradução: Sobrevivendo Narcisismo), “pessoas com NPD (transtorno de personalidade narcisista) têm um senso inflado de sua auto importância, uma necessidade excessiva de admiração ou superioridade, e uma capacidade muito reduzida de empatia”. Os abusadores podem ter falta de empatia, ter inveja dos outros ou acreditar que os outros têm inveja deles. Os narcisistas não têm emoções, nascem com a doença. Os narcisistas só usam as emoções para alcançar seus objetivos pessoais e o que desejam.

É muito difícil identificar um narcisista. Eles demonstram muito carinho e se comportam romanticamente no início do relacionamento, demonstrando extremo cuidado com suas vítimas, criando assim um vínculo psicológico (amoroso). As vítimas se mantêm apegadas à seus agressores por causa desses laços psicológicos. Uma vez que a vítima confia no parceiro, é difícil para ela acreditar que o parceiro faria algo tão terrível com ela. As vítimas podem pensar que isso seria apenas uma "fase ruim", como se seus parceiros estivessem passando por alguns problemas temporários no trabalho, inventando desculpas/motivos para o comportamento dos agressores.

Quando a vítima começa a acreditar que toda acusação que o agressor faz é culpa da vítima, isso é chamado de gaslighting (iluminação à gás). Este termo foi criado em 1944 após o filme “Gaslight”, em que o marido constantemente fazia a esposa duvidar de sua própria sanidade, mostrando também um casamento muito abusivo. “Gaslight” é fazer com que alguém duvide constantemente de si mesmo, de suas ações e de sua percepção da realidade e de sua sanidade.

3. Estigma da Sociedade

É típico que uma pessoa em situação de abuso não conte o que está acontecendo à família ou aos amigos. Muitas vezes, ela se sente envergonhada e é como se ela não conseguisse manter o relacionamento. Existe um estigma em relação ao abuso em nossa sociedade de que o abuso não é legítimo a menos que seja físico. De acordo com o Columbus Dispatch News em 2020: “Parece que, em março, as vítimas que não estavam pedindo ajuda porque estavam abrigadas com seus agressores não ligaram até que a violência se agravou tanto que a polícia precisou se envolver.” Esperamos até que a violência fique severa (fisicamente) para pedir ajuda, e esse é o estigma da sociedade: a crença de que a violência doméstica é "real" apenas quando se torna física. Além disso, a desculpa de “todo casal briga” é usada para justificar abusos psicológicos, financeiros e até sexuais. É importante normalizar essa conversa, para que as vítimas possam reconhecê-lo mais rápido e possamos quebrar esse estigma.

4. Ciclo de Violência

Como funciona o ciclo da violência?

A roda dentada acima nos ajuda a entender por que tantas pessoas sofrem abusos com muita frequência e é difícil se libertar. O ciclo de violência começa com o agressor aumentando a tensão e, em seguida, criando abuso físico, reconciliação e calma. É importante entender que as vítimas verão o agressor demonstrando muito remorso, convencendo a vítima de que pode ser uma situação isolada e que nunca mais acontecerá. Na realidade, isso acontecerá repetidamente, se a vítima não quebrar o ciclo. Romper o ciclo não é fácil, como estamos começando a entender.

5. Status socioeconômico

Algumas mulheres não podem sair porque temem uma mudança negativa em sua condição socioeconômica e de seus filhos. Algumas mulheres dependem grandemente ou totalmente da renda de seus parceiros. Alguns abusadores também usam isso para controlar e manipular a vítima. É uma ferramenta de manipulação utilizada pelos abusadores para ter poder sobre as vítimas, para mantê-las na relação com seus agressores, sob seu controle.

Como dito acima, questionar por que as vítimas não saíram é muito desanimador. Em vez disso, devemos questionar "por que os abusadores / parceiros estão sendo abusivos?" Iríamos efetivamente parar de culpar a vítima pelo abuso sofrido e colocar o foco no agressor.

6. O que podemos fazer para mudar?

Precisamos educar nossa comunidade e falar mais sobre violência doméstica. O abuso do parceiro não simboliza apenas “casos isolados” ou um fenômeno pós-pandêmico. É um problema mundial entre nós, mesmo antes da pandemia. Para acabar com isso, devemos agir, e educar a comunidade é uma obrigação.

Vamos normalizar novas ideias em relação às estruturas familiares, para que nenhuma vítima se sinta envergonhada por ter que deixar um relacionamento abusivo. Vamos exigir melhores políticas públicas de nossos governantes eleitos. Um melhor treinamento da polícia, por exemplo, forma como os policiais abordam os incidentes de violência doméstica de uma perspectiva imposta ao trauma. Contate seus representantes de seus distritos, e exija melhores políticas públicas.

Se você for vítima de violência doméstica e não puder sair imediatamente, é útil criar um plano de segurança:

O que você deve ter em seu plano de segurança?

  • Cópias de documentos;

  • Crie uma pasta no Google Drive (que é gratuito se você criar uma conta na plataforma) e compartilhe com um amigo ou familiar de confiança, as evidências do abuso que você está sofrendo;

  • Memorize os números telefone de pessoas de segurança, como um amigo, membros da família; além do Google drive, a Rede Nacional pelo Fim da Violência Doméstica (NNEDV) criou um aplicativo chamado DocuSAFE. DocuSAFE é um aplicativo gratuito que ajuda sobreviventes a coletar, armazenar e compartilhar evidências de abuso, como violência doméstica, agressão sexual, perseguição, assédio online e violência em namoro. As sobreviventes podem documentar o abuso registrando incidentes individuais, incluindo fotos, capturas de tela ou documentação de vídeo de mensagens ameaçadoras, postagens de assédio nas redes sociais, chamadas repetidas indesejadas ou falsificação de identidade online, entre outros comportamentos abusivos.

  • Tenha sempre uma sacola cheia com roupas, lanches e água, escondida em algum local seguro para que possa ter acesso fácil e sair em caso de emergência;

  • Planeje com antecedência se for para um abrigo, se sim, ligue antes para verificar se há espaço para você e seus filhos, se houver, ou vá para algum amigo ou família de confiança;

  • Tente economizar o máximo de dinheiro possível e esconda-o de seu agressor; qualquer quantia pode ser útil, aqueles dois dólares e troco das compras podem pagar a gasolina para a sua fuga ou o seu táxi/Uber;

  • Tente se educar, estude para ser autossuficiente. Não estamos dizendo que você vai ser melhor do que ninguém, mas você vai poder pagar por uma moradia e pela comida em sua mesa. Então se você não teve acesso a um ensino superior em seu país, vá em frente. Se você tiver, vá para uma especialização, há muitos subsídios e empréstimos lá fora, se você precisar de ajuda para se inscrever para eles, visite este site. Nele você também pode se inscrever para bolsas de estudo, de mérito e necessidade com base diretamente nas escolas que você está interessado em frequentar.

  • GEMS Schoolarship é um programa especial para vítimas de violência doméstica ou tráfico humano para capacitação e educação para ajudar as vítimas e mulheres em geral a conquistar sua independência financeira, aumentar sua confiança. Este programa tem como objetivo estender a oportunidade às vítimas e encerrar o ciclo de violência doméstica para elas e seus filhos.

  • Verifique também as bolsas de estudo disponíveis para vítimas de crime/violência nos EUA nesse link.

Sobre as autoras/About the writers:


About/Sobre Natalia Ahn:

Masters in Human Rights and Immigration Paralegal, from Pará, Brazil, living in New York, USA, vegan, mother and student; feminist, advocate for domestic violence victims and gender, believes that education is our combat "weapon". When becoming a mother found in writing a way to protest and activism.

Mestranda em Direitos Humanos e Paralegal de Imigração, paraense, atualmente residindo em Nova York, EUA, Vegana, mãe e estudante; feminista, ativista que luta contra violência doméstica e de gênero, acredita que a educação é nossa "arma" de combate. Ao se tornar mãe encontrou na escrita, uma forma de protesto e ativismo.


About/Sobre Luana Maciel:

Luana Maciel, a legal processor at Child Protect Services Indiana, currently living in the southeast of Indiana. Brazilian, mother of five, full-time worker, and full-time student. domestic violence advocate, human trafficking advocate, and human rights activist.

In Brazil, Luana is an activist against abuse of authority and sexism.


Luana Maciel, brasileira, processadora legal por serviço de proteção à criança no estado de Indiana, mora em Indiana e é mãe de cinco filhos em tempo integral, feminista, empregada tempo integral e estudante tempo integral. Advocacia para vítimas de violência doméstica tráfico de humano e ativista de direitos humanos. No Brasil, Luana é ativista contra o abuso de autoridade e machismo.


Translated by Livia Paula, our team member in the Media in Communications department.

Traduzido por Lívia Paula, garreira do nosso time de mídia e comunicação.


References/Fontes:

263 views0 comments

Recent Posts

See All