• Stephanie Mulcock

Cidadão Global is now called Garra

by Stephanie Mulcock, Esq.


Cidadão Global or, as you will soon come to know us, Garra is a community-based organization aimed at increasing economic and political power of Brazilian immigrant women living in New York City. Our vision is to inspire Brazilian immigrant women by providing them the tools needed to increase their political visibility and economic power, in order to make a positive and tangible social impact for all immigrants.


Cidadão Global was the brain-child of founder Ramona Ortega, a

second generation Mexican immigrant who exemplifies Chicanx power in the best possible way. Back in the late 2000s, Ramona had a robust career in the defense of human rights. By virtue of her splendid Portuguese-speaking skills and the practice of capoeira, Ramona was in contact with a number of Brazilian immigrants who often asked her questions regarding their rights: “how can I speak to an attorney about my immigration case?” or “how can I leave my abuser?” Seeing this need in the community, Ramona turned to the Brazilian women she knew. She held space for Brazilian women to create collective power and the rest is history. Programming started in 2007 and Cidadão Global officially became an organization in 2011.


That founding group of immigrant women recognized that the Brazilian community in New York City lacked access to decision-making power over the policies concerning their communities and livelihoods. The founding women faced an array of difficulties in their own lives, including poor working conditions, discrimination, wage-theft, violence in the home, and immigration fraud. They designed the purpose of the organization around organizing other Brazilian immigrant women to fight for their rights so the same abuses would not continue to happen to others.


Ramona’s vision was to create an organization that would raise its emergent leaders and would be run by people who are also part of the community they serve. I am proud and grateful to have led this vision since 2013, holding space for Brazilian immigrants to create

community-based solutions for complex social problems.


Through the years, we have joined the larger immigrants’ rights and workers’ rights movements in order to drive positive social change for all immigrants. We have been able to achieve a number of victories strategizing together, marching together and sharing our stories. Some notable examples are the NY Domestic Workers’ Bill of Rights, the first of its kind in the country, which guarantees the right to minimum wage to domestic workers; the creation of the Division of Paid Care in the NYC Department of Consumer Affairs, a division responsible for helping care workers file wage theft claims, access accurate information, and file discrimination claims; and the Justice for Job Seekers Bill, which protects low-wage workers against fraud in the employment process through employment agencies.


Under the name Cidadão Global, we have worked with over one thousand individuals, by providing English as a Second Language courses, civic engagement opportunities, immigration law clinics, employment law clinics, know-your-rights workshops, political

education, community forums, computer classes, domestic violence counseling, leadership development opportunities, resumé review and mock interviews, college application review and workforce development opportunities. Yes, we have been busy. But we could never have done it without the hundreds of volunteers who donated their time to teach classes, welcome new members, develop better systems to track our data, distribute rights pamphlets, coordinate other volunteers, make phone calls to invite others to events, and even dress up like a clown at the block fair.


As we move forward in our history, our members and our volunteers will always be the soul of our organization, informing our work, designing our path, and reminding us daily of why we do this work.


The cat is out of the bag. Cidadão Global is officially changing its name to Garra.


While the name Cidadão Global suited us well when the Brazilian immigrant community in New York City was resistant to grow roots here and envisioned a life with family back in Brazil, it no longer suits the character of the community now. Brazilians are now creating enduring social institutions - civic associations, other nonprofits, online communities - that lay the groundwork for intergenerational permanency. The Brazilian immigrant community collectively realizes they are growing older and raising families here, so they are now beginning to create enduring social institutions focused on the community here. Consequently, the name Cidadão Global is too reflective with the former transient nature of our community.


The name Garra reminds us of the fierce warrior within. We have all endured our share of difficulties in life. We either suffered through the trauma of immigration, or spent a lifetime trying to explain our American life-style to our immigrant parents. We have survived obstacles like gender discrimination, racism, xenophobia, violence, or discrimination due to sexual orientation. We fight to get a job, keep a job, become documented, keep our homes. But we never give up. We find that fierce warrior, that garra, and keep on keeping on.

The name Garra invokes the fight in you and invites you to action. Garra is having the courage to build one another’s leadership so we can make better choices and be better equipped to create solutions for sustainable change. We are living in a time where there is serious insecurity in our immigration status and our livelihoods. The news deliver daily dosages of various ways in which immigrants are attacked. Let’s dig into that garra within and support one another, become informed of our rights, and figure out ways together to shift power and build a more equitable society.


As we dive into our first year as Garra, we have our work cut out for us. There are an estimated 1,380,000 Brazilian immigrants living in the United States ¹. 63% of those are estimated to be undocumented ². Brazil is the 7th country from which most Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) recipients come from ³, and an estimated 30,000 Brazilians overstay their nonimmigrant visas every year (4) . Garra is one of only 3 organizations nationwide doing the work of community organizing, leadership building, and

advocacy that is necessary in order to build political visibility and empowerment

within the Brazilian immigrant community (5). Garra is the only organization

doing that work in New York State, where an estimated 150,000 - 200,000 Brazilian immigrants reside or work (6).


As we roll out our programming for the year, our strategic plan focuses on developing the leadership and harnessing the power of immigrant Brazilian women. Through investment in women, we see an improvement in their immediate families as well as their social circle. This year’s programs will help immigrants heal the trauma of family separation, discrimination and abuse through artistic expression, find their voice through leadership

development, and provide opportunities to empower others in their community. It will guide the immigrant woman to define her own narrative, and bring the humanity of immigrants into the center of the policy debate.


Further, we will seek to develop the economic prowess of Brazilian immigrant women, through various educational resources, financial planning workshops, mentorship and networking opportunities. We will also continue to remove barriers to economic development by offering legal consultations on immigration law, and connecting the community to other organizations and agencies that assist with public benefits, starting a small business, paying off debt, or preventing evictions.


* This is an excerpt from the book Women With Garra 2019.


1 - Maxine L. Margolis. Goodbye, Brazil: Émigrés from the Land of Soccer and Samba. Madison, WI: University of Wisconsin Press, 2013. Pg. 5.

2 – Cidadão Global’s estimates, based on data collected in-house.

3 - USCIS. Approximate Active DACA Recipients Demographics - Apr. 30, 2019. www.uscis.gov June 12, 2019

4 - DHS. FY2018. Entry/Exit Overstay Report. www.dhs.gov

5 – The other two are Brazilian Workers Center in Boston, MA and Brazilian Women’s Group in Brighton, MA

6 – Cidadão Global’s estimates, based on data collected in-house and on the Brazilian consulate’s estimates of its New York jurisdiction (300,000 Brazilian immigrants living in New York, New Jersey and Pennsylvania)


Cidadão Global agora é Garra


Cidadão Global ou, como você logo nos conhecerá, Garra é uma organização de base comunitária que visa aumentar o poder econômico e político de imigrantes brasileiras que vivem na cidade de Nova York. Nossa missão é inspirar essas mulheres, fornecendo as ferramentas necessárias para aumentar sua visibilidade política e poder econômico, a fim de causar um impacto social positivo e tangível a todos os imigrantes.


O Cidadão Global foi fundado por Ramona Ortega, uma imigrante mexicana de segunda geração que exemplifica o “poder Chicanx” da melhor maneira possível. No final dos anos 2000, Ramona tinha uma carreira sólida na defesa dos direitos humanos. Em virtude de suas habilidades bem-capacitadas de falar português e da prática da capoeira, estava em contato com vários imigrantes brasileiros que frequentemente faziam perguntas sobre seus direitos: “como posso falar com um advogado sobre meu caso de imigração?” Ou “ como posso deixar meu agressor?” Vendo essa necessidade na comunidade, Ramona se voltou para as mulheres brasileiras que conhecia e abriu um espaço para que pudessem criar poder coletivo. A programação começou em 2007 e o Cidadão Global tornou-se oficialmente uma organização em 2011.


Esse grupo de mulheres imigrantes reconheceu que a comunidade brasileira na cidade de Nova York não tinha acesso ao poder de decisão sobre as políticas relativas a suas comunidades e meios de subsistência, enfrentando uma série de dificuldades em suas próprias vidas, incluindo más condições de trabalho, discriminação, roubo de salários, violência em casa e fraude de imigração por profissionais anti-éticos. Foi estabelecido que o objetivo do Cidadão Global seria organizar outras imigrantes brasileiras para lutar por seus direitos, para que os mesmos abusos não acontecessem com outras pessoas.


A visão de Ramona era criar uma organização que elevasse seus líderes emergentes e fosse dirigida por pessoas que também fazem parte da comunidade a que servem. Sinto orgulho e gratidão por estar liderando essa visão desde 2013, abrindo espaço para os imigrantes brasileiros criarem soluções para problemas sociais complexos com base na sabedoria de sua própria experiência.


Ao longo dos anos, nos juntamos aos movimentos de direitos dos imigrantes e trabalhadores, a fim de promover mudanças sociais positivas para todos que imigram. Conseguimos inúmeras vitórias criando estratégias juntas, marchando juntas e compartilhando nossas histórias. Alguns exemplos notáveis são a Declaração de Direitos dos Trabalhadores Domésticos de NY, a primeira do gênero no país, que garante o direito ao salário mínimo aos trabalhadores domésticos; a criação da Divisão de Cuidados Pagos no Departamento de Assuntos do Consumidor de Nova York, uma divisão responsável por ajudar os trabalhadores a registrar reclamações de roubo de salário, acessar informações precisas e registrar reclamações de discriminação; e a lei Justiça para Candidatos a Emprego, que protege os trabalhadores de baixa renda contra fraudes no processo de contratação por meio de agências de emprego.


Sob o nome Cidadão Global, trabalhamos com mais de mil pessoas, fornecendo cursos de inglês como segunda língua, oportunidades de envolvimento cívico, assessoria de direito de imigração, assessoria de direito trabalhista, oficinas de conhecimento dos direitos, educação política, fóruns comunitários, aulas de computação, aconselhamento sobre violência doméstica, oportunidades de desenvolvimento de liderança, revisão de currículo e simulação de entrevistas, revisão de aplicações para faculdades e oportunidades de capacitação profissional. Nunca poderíamos ter feito isso tudo sem as centenas de voluntários que doaram seu tempo para dar aulas, receber novos membros, desenvolver sistemas melhores para rastrear nossos dados, distribuir panfletos de direitos, coordenar outros voluntários, convidar outras pessoas para eventos e até mesmo fantasiar-se de palhaço para animar a criançada na feira de recursos do bairro.


À medida que avançamos em nossa história, nossos membros e nossos voluntários sempre serão a alma de nossa organização, divulgando nossos esforços, projetando nosso caminho e lembrando-nos diariamente do porquê de fazermos esse trabalho.


Nossa surpresa: O Cidadão Global está mudando oficialmente seu nome para Garra!


O nome Cidadão Global nos servia quando a comunidade imigrante brasileira em Nova York era resistente a criar raízes aqui porque mantinha o foco em arrecadar recursos em Nova York para eventualmente retornar a uma vida com a família no Brasil. Essa já não é a realidade da comunidade que vive por aqui. Agora os brasileiros estão criando instituições sociais duradouras - associações cívicas, outras organizações sem fins lucrativos, comunidades online - que lançam as bases para a permanência internacional. A comunidade imigrante brasileira percebe coletivamente que está amadurecendo e constituindo famílias em Nova York, criando instituições sociais duradouras focadas na comunidade que vive aqui. Consequentemente, o nome Cidadão Global é reflexo histórico da natureza transitória do passado de nossa comunidade.


O nome Garra nos lembra a determinação que temos dentro de nós. Todos nós já toleramos grandes parcelas de dificuldades na vida, incluindo o trauma do processo de imigração, ou obstáculos como discriminação de gênero, o racismo, xenofobia, violência doméstica ou discriminação por orientação sexual. Vivemos um tempo em que há grande insegurança em nosso status de imigração e em nossos meios de subsistência, com a mídia oferecendo doses diárias de ataques a imigrantes. Mas nunca desistimos. Nós procuramos aquela determinação dentro da gente, aquela Garra, e procedemos.

O nome Garra invoca o guerreiro dentro de você, a coragem da luta que nos leva à ação. Garra é ter a audácia de construir a liderança um do outro, de criar soluções sustentáveis. Vamos nos aprofundar nessa garra e nos apoiar, nos informar sobre nossos direitos e

construir uma sociedade com mais equidade.


Ao mergulharmos em nosso primeiro ano como Garra, temos muito trabalho à nossa frente. Estima-se que 1.380.000 imigrantes brasileiros morem nos Estados Unidos (1). Estima-se também que pelo menos 63% deles não sejam documentados (2). O Brasil é o sétimo país com maior número de beneficiários da Ação Diferida para Chegadas na Infância (DACA)(3), o que indica um índice alto de imigrantes brasileiros indocumentados, e estima-se que 30.000 brasileiros anualmente permanecem nos EUA após o visto temporário vencer (4). Garra é uma das únicas três organizações em todo o país que realizam o trabalho de organização de base comunitária, construção de liderança e defesa dos direitos, que é necessário para criar visibilidade e empoderamento político na comunidade imigrante brasileira (5). Garra é a única organização que trabalha no estado de Nova York, onde cerca de 150.000 a 200.000 imigrantes brasileiros residem ou trabalham (6).


Ao lançar nossa programação para o ano, nosso plano estratégico se concentra no desenvolvimento da liderança de mulheres imigrantes brasileiras para remover barreiras ao seu sucesso. Através do investimento em mulheres, vemos uma melhora em suas famílias imediatas e em seu círculo social. Os programas deste ano ajudarão os imigrantes a curar o trauma criado pela sua separação da família que ficou no Brasil, e a curar a discriminação e abuso familiar através da expressão artística, encontrar sua voz através do desenvolvimento de liderança e oferecer oportunidades para capacitar outras pessoas em sua comunidade. Nossos programas estão direcionados a guiar a mulher imigrante a definir sua própria narrativa e colocar a dignidade do imigrante ao centro do debate sobre políticas públicas.


Além disso, procuraremos desenvolver o potencial econômico das mulheres imigrantes brasileiras, por meio de vários recursos educacionais, palestras de planejamento financeiro, direcionamento e oportunidades de networking. Também continuaremos a remover barreiras ao desenvolvimento econômico, oferecendo consultas legais sobre leis de imigração e conectando a comunidade a outras organizações e agências que auxiliam em inscrição de benefícios públicos, iniciando um pequeno negócio, negociação e pagamentos de dívidas ou impedindo despejos.


*Esse trecho foi retirado do livro Mulheres com Garra 2019


1 - Maxine L. Margolis. Goodbye, Brazil: Émigrés from the Land of Soccer and Samba. Madison, WI: University of Wisconsin Press, 2013. Pg. 5.

2 – Estimativa de Cidadão Global, baseada em dados coletados internamente.

3 - USCIS. Approximate Active DACA Recipients Demographics - Apr. 30, 2019. www.uscis.gov June 12, 2019

4 - DHS. FY2018. Entry/Exit Overstay Report. www.dhs.gov

5 – As outras duas são Centro de Trabalhadores Brasileiros en Boston, MA e Grupo Mulher Brasileira em Brighton, MA

6 – Estimativa de Cidadão Global, baseada em dados coletados internamente e na estimativa do Itamaraty, sobre a jurisdição do consulado de Nova York (300,000 imigrantes brasileiros morando em Nova York, Nova Jersey e Pennsylvania)

0 views

+1 718-619-8529

  • Instagram
  • Facebook Social Icon

©2019 by Garra BR.